Não perca nenhuma novidade! Receba nossos artigos e materiais e fique preparado para os desafios da gestão industrial.

Cadastre-se

Lean Manufacturing: Da teoria à prática

30 de janeiro de 2019
Gestão
Lean Manufacturing

Um dos princípios de uma gestão eficiente é buscar sempre uma visão estratégica do mercado, tendências e metodologias reconhecidas por seus resultados. Afinal, o benchmarking é um processo indispensável para qualquer negócio, certo? Foi assim que grandes indústrias, como Toyota, 3M, DELL e Embraer, garantiram maiores resultados e menos desperdícios! O método de produção em que apostaram é uma referência para indústrias do mundo todo, em diversos segmentos, e ficou conhecido como Lean Manufacturing (Produção Enxuta, em português).

Essa filosofia é baseada em uma abordagem sistêmica para a identificação e prevenção de desperdícios, a partir da melhoria contínua e de um ciclo produtivo que tem como foco a qualidade e o máximo aproveitamento dos recursos.

De onde surgiu esse conceito?

O livro “A máquina que mudou o mundo”, de James Womack, Daniel Jones e Daniel Ross, apresentou o Sistema Toyota de Produção (STP) pela primeira vez, em 1990, utilizando o termo Lean Manufacturing para explicá-lo. A obra fundamentou os conceitos e métodos aplicados pela Toyota e é uma referência até hoje nas universidades, internacionalizando o conceito do sistema.

Agora, a metodologia STP foi construída a partir de anos de experiência e expertise de grandes engenheiros que passaram pela multinacional, como Kiichiro Toyoda, fundador da Toyota Motor Co., e seu primo Eiji Toyoda, responsáveis pela aplicação do sistema Jidoka (Just-In-Time), além dos engenheiros Taiichi Ohno, desenvolvedor  do método Kanban, e Shigeo Shingo, criador do modelo Poka-yoke. Todas essas ferramentas e metodologias formaram o Sistema Toyota de Produção e contribuíram para o conceito que hoje entendemos como Lean Manufacturing.

Como funciona o modelo de produção enxuta?

O principal objetivo da implementação do Lean Manufacturing é a eliminação dos processos e atividades que não agregam valor a partir da ótica do cliente, maximizando a eficiência da produção e reduzindo os custos envolvidos. Assim, a metodologia visa eliminar 8 tipos de desperdícios na manufatura:

1. Superprodução

O primeiro passo de uma Produção Enxuta é a eliminação das ações não-sustentáveis e sem planejamento, que levam a indústria a excessos desnecessários, como pedidos antes da hora, produção sem demanda, estoque com materiais fora da validade e produtos parados nas prateleiras.

2. Transporte

A segunda meta é reduzir as falhas no processo logístico da indústria, também responsável por desperdícios de tempo e dinheiro no dia a dia, como setores distantes que geram gastos desnecessários com o transporte de materiais.

3. Tempo de espera

O desperdício de tempo e energia com equipes, processos e equipamentos ociosos, por falta de disponibilidade ou atraso em algum recurso, está entre as principais causas de perda nas indústrias, e é justamente um dos principais aspectos que a Produção Enxuta visa combater. Aqui, a ideia é atuar sempre de forma preventiva, ao invés de corretiva.

4. Excesso de processamento

Etapas desnecessárias, que não acrescentam nada ao processo produtivo, são mais um dos pontos de atenção no sistema Lean Manufacturing. Esse princípio é o que torna tão importante a utilização de ferramentas de gestão eficientes nesse modelo de manufatura.

5. Defeitos

Cada retrabalho gera algum tipo de desperdício para a sua indústria, seja de tempo, de energia, ou de dinheiro, além de estar diretamente ligado à qualidade do seu produto e à satisfação do seu cliente. Portanto, o Lean Manufacturing também prevê a atenção contra defeitos e refações como um ponto básico em todo o processo produtivo.

6. Estoque

Diretamente relacionado com os desperdícios de superprodução, a perda de produto e matéria-prima também pode gerar grandes prejuízos às indústrias. Assim, a ideia de se trabalhar com um estoque minimizado, com disponibilidade dos materiais conforme a demanda, foi uma das primeiras estratégias aceitas no Sistema Toyota de Produção, fundamentada no conceito Just In Time, criado por Kiichiro e Eiji Toyoda.

7. Movimentação de pessoal

Como no aspecto da logística, o desperdício de tempo e energia por movimentação desnecessária das equipes também vai contra os princípios da Manufatura Enxuta. Isso porque esse modelo de produção defende que a disposição adequada dos estoques, equipamentos e setores agiliza e aumenta a produtividade.

8. Habilidades subutilizadas

O último e também muito importante tipo de desperdício abordado pelo sistema Lean Manufacturing se refere ao mau uso das habilidades de cada profissional. Nessa filosofia de gestão da produção, é preciso saber designar as equipes certas aos processos em que apresentam melhor desempenho, atribuindo o melhor de cada expertise para a obtenção de melhores resultados.

Como aplicar os princípios do Lean Manufacturing?

O modelo Lean Manufacturing, como você pôde perceber, envolve a otimização de diversos fatores e processos, transformando toda a cultura de produção da indústria. Para a viabilidade da implantação desse sistema, é preciso primeiro contar com pessoas e ferramentas capacitadas, com experiência e know-how nessa metodologia.

Um ERP com foco na otimização e integração da Manufatura, por exemplo, pode fazer toda a diferença, contribuindo com uma visão sistêmica e a redução significativa de desperdícios por falhas humanas. Em conjunto ao sistema, também é importante contratar um Black Belt, profissional especializado no sistema Lean, e responsável por atuar diretamente com as análises, planejamentos e treinamentos.

Se quiser entender como um sistema de gestão pode te ajudar a implantar e a aprimorar o modelo da Produção Enxuta na sua indústria, entre em contato com a nossa equipe e tire todas as suas dúvidas!

Comentários


Tags Relacionadas
Publicações relacionadas

Não perca nenhuma novidade! Receba nossos artigos e materiais e fique preparado para os desafios da gestão industrial.

Cadastre-se