Não perca nenhuma novidade! Receba nossos artigos e materiais e fique preparado para os desafios da gestão industrial.

Cadastre-se

Visão estratégica do mercado: Perspectivas para as indústrias em 2019

2 de janeiro de 2019
Gestão
Visão estratégica

2019 acaba de chegar, e com ele vêm novas perspectivas, novas metas e decisões importantes a serem tomadas. Nesse momento, uma visão estratégica é o ponto determinante para os resultados e a competitividade da sua indústria. A recuperação econômica e o aumento do nível de confiança para o consumo e para os investimentos no Brasil nesse ano trazem também novas oportunidades para o mercado. Mas não basta saber onde se quer chegar, também é preciso definir o melhor caminho a seguir!

Pensando nisso, nós separamos as 5 principais perspectivas para as indústrias em 2019, de forma que você possa se preparar e direcionar a sua gestão com foco em novos cenários e resultados!

5 Oportunidades para uma visão estratégia

1. Crescimento escalonado

Conforme o balanço anual de 2018, realizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), a economia foi frustrante para o setor industrial no último ano, que cresceu apenas 1,3%. No entanto, para a esperança dos empresários do setor, a CNI apresenta boas estimativas para 2019. De acordo com a entidade, o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil expandirá 2,7%, impulsionada por avanço de 3% do segmento industrial e 6,5% dos investimentos.

Além disso, a possibilidade de aprovação de projetos como a reforma da Previdência também traz perspectivas melhores para as indústrias em 2019, influenciando ainda as taxas de desemprego e a inflação.

Agora, apesar das oportunidades de crescimento do setor, os resultados esperados não serão possíveis sem as mudanças necessárias. Continuar fazendo o mesmo não garantirá que a sua indústria saia do lugar. Portanto, é essencial direcionar seus investimentos e esforços a partir de uma visão estratégica das tendências que estão transformando o mercado!

2. Novas tendências

A nova edição do Mapa da Indústria (2018 – 2022), desenvolvido pela CNI, em conjunto ao SESI, SENAI e IEL, aponta 11 fatores-chave para a inovação e o crescimento do setor nos próximos anos. Entre eles, estão a Indústria 4.0 e a economia digital. De acordo com o documento, “a velocidade das transformações que nascem das novas tecnologias demanda estratégias e respostas estruturadas”.

Além disso, o Mapa levanta questões relacionadas ao uso consciente e sustentável dos recursos naturais, a política de inovação, comércio exterior, educação e produtividade dentro das indústrias.

3. Maior participação no comércio exterior

Com o avanço da Indústria 4.0 no Brasil, a perspectiva é que o país também alcance um novo patamar de participação e competitividade no comércio mundial de bens e serviços. Dessa forma, os gestores do setor devem manter uma visão estratégica a curto e longo prazo sobre os desafios e as oportunidades de exportação. Para isso, o foco deve estar sempre na pesquisa, no desenvolvimento e na inovação.

Todos os anos, o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior e instituições como o SENAI desenvolvem projetos de internacionalização de empresas brasileiras. Estar atento a essas ações e iniciativas pode ser um passo importante para uma caminhada de sucesso!

4. Quebra da ociosidade

De acordo com a pesquisa realizada pela CNI mostra, em outubro de 2018, a capacidade instalada das fábricas brasileiras era de 77,1%, com a queda da produtividade pelo segundo mês consecutivo. A ociosidade nas indústrias é um reflexo da crise econômica, das incertezas políticas, do alto nível de desemprego e do encarecimento do crédito no país.

No entanto, a perspectiva é que esse cenário seja revertido em 2019! Na medida em que a economia se estabelecer e recuperar a dinamicidade, a previsão é que as indústrias voltem a operar com uma produtividade maior e cresçam mais de 15% nesse ano.

5. Automatização das atividades

Outra tendência positiva esperada para esse ano é o crescimento dos investimentos com a automação de processos e atividades nas indústrias. Segundo o relatório publicado pelo Banco Mundial, em outubro de 2018, as empresas brasileiras gastam 1.958 horas com o pagamento de impostos. Esse dado demonstra a importância do setor industrial acompanhar a digitalização e empregar estratégias de modernização, com foco na eficiência e otimização das tarefas.

Nesse cenário, a implantação de um sistema de gestão é fundamental para o gestor desenvolver uma visão estratégia dos processos e da situação atual do mercado, bem como tomar decisões assertivas para a competitividade e o crescimento da indústria.

Saiba mais sobre a importância de um ERP para o segmento industrial!

Comentários


Tags Relacionadas
Publicações relacionadas

Não perca nenhuma novidade! Receba nossos artigos e materiais e fique preparado para os desafios da gestão industrial.

Cadastre-se